Reumatologia: uma das principais especialidades para a conquista da qualidade de vida

Uma frase muito comum dita por pessoas mais velhas é: “Eu tenho reumatismo”. Embora pareça simples, algumas dúvidas surgem. Qual parte do corpo ela atinge, quais eram seus sintomas? Afinal, o que é reumatismo?

Reumatismo é um termo amplo para definir as doenças reumáticas. Hoje, já falamos em mais de 100 problemas diferentes que atingem o tecido conjuntivo, o sistema osteomuscular e a parte da imunidade. Esses são os campos de atuação do reumatologista. Esclarece a reumatologista do ICB, Tainá Cândida de Almeida.

Entre as doenças mais comuns, podemos citar a artrose, artrite, tendinite, osteoporose e fibromialgia, mas o reumatologista também trata de patologias com perfil autoimune, como lúpus, artrite reumatóide e espondilite.

O principal motivo que leva os pacientes ao nosso consultório é a dor, mas tratamos do organismo de forma geral. Atendemos quem apresenta dor articular crônica ou aguda, inchaço nas articulações associada a vermelhidão, queda de cabelo inexplicada, lesões de pele que precisam ser investigadas, problema renal encaminhado pelo nefrologista e lesões oculares crônicas, que são casos de investigação de doença autoimune (quando o sistema imunológico ataca as células do próprio corpo).

A principal ferramenta deste especialista é a investigação clínica, com o entendimento do histórico do paciente (investigação de doenças prévias e familiares) e exame físico direcionado às articulações.

Depois dessa primeira fase, precisamos de alguns exames complementares para confirmar o raciocínio clínico. Podemos solicitar exames de sangue e, nos casos de queixas articulares, exames de imagem como ultrassom, raio-x, ressonância e tomografia.

Tratamentos
A reumatologia está em constante avanço e oferece várias opções de medicamentos, a exemplo de anti-inflamatórios, corticoides e poupadores de corticoide (para pacientes que fazem uso constante de corticoide). Também se faz o uso de medicamentos biológicos, que têm como objetivo inativar mecanismos específicos que ocorrem em algumas doenças autoimunes.

Mas a especialidade dá igual importância ao tratamento não medicamentoso.

Na reumatologia, a interdisciplinaridade é fundamental. Como são doenças que influenciam muito na qualidade de vida do paciente, precisamos do auxílio de outros profissionais. Encaminhamos para fisioterapia, acupuntura, psicoterapia, terapia ocupacional e até recomendamos a utilização de próteses e órteses para os que têm problemas de deformidade articular.

Reumatologia para pacientes oncológicos

Ainda no assunto interdisciplinaridade, a especialidade também é de extrema importância para pacientes que estão tratando o câncer.

Muitas neoplasias podem causar lesões muito semelhantes às alterações da doenças autoimunes. Além disso, é muito comum a presença de dor nessa fase, então avaliamos se o problema reumatológico é em decorrência do câncer ou do tratamento. A partir dessas três linhas de investigação, vamos definir, junto com toda a equipe, a melhor abordagem para dar ao paciente a maior qualidade de vida possível.

Qualidade de vida

Embora o reumatologista também trate pacientes jovens e crianças, os mais comuns ainda são os idosos. E as melhores formas para prevenir esses problemas ainda são uma boa alimentação e atividade física regular para garantir um envelhecimento saudável.

A atividade física tem um papel de fortalecimento da musculatura, de prevenir doenças articulares ou impedir sua evolução. Sabe-se que a prática de exercícios diminui as atividades inflamatórias de várias doenças, evitam sequelas e previne a mortalidade.

É preciso ter em mente também que mesmo as doenças crônicas podem ser tratadas com o controle dos sintomas.

Precisamos acabar com esse mito de ter que se acostumar com a dor. Acostumar com a doença é importante, pois o paciente preciso disso para enfrentá-la, mas a dor não, isso a gente tem como resolver.

Os comentários estão encerrados.