Imunoterapia com células CAR T é eleita avanço do ano contra o câncer

.

A American Society of Clinical Oncology (ASCO) elegeu a imunoterapia com células T com receptor de antígeno quimérico (CAR) o grande avanço do ano contra o câncer. O anúncio foi feito em seu relatório com as principais pesquisas clínicas e políticas em saúde de 2017.

A terapia com CAR-T usa as próprias células do sistema imunológico do paciente – os glóbulos brancos – geneticamente reprogramadas em laboratório para lutar contra o câncer. Em 2017, foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dois tratamentos com essas células, um para crianças e jovens com leucemia linfoide aguda e outro para adultos com linfoma difuso de células B. Pesquisas ainda buscam utilizar a terapia em outros tipos da doença, como mieloma múltiplo.

É extraordinário perceber que décadas de estudos e esforços levaram a este novo tipo de tratamento, bem como outras abordagens médicas que oferecem esperança para pacientes com câncer em estágio avançado. Comenta Bruce E. Johnson, presidente da ASCO.

Apesar de ainda precisarmos trabalhar para tornar a imunoterapia acessível e mais tolerável, o sucesso da terapia com CAR-T cells mostra o profundo impacto que novos tratamentos podem ter no prolongamento da vida de pessoas com câncer.

Novas pesquisas: Imunoterapia para tratamento de câncer de pulmão

No relatório, a ASCO aponta ainda que, se a cada ano, todos os 100 mil casos de câncer de pulmão avançados dos Estados Unidos fossem tratados com imunoterapia, mais de 250 mil anos de vida poderiam ser salvas.

Desde 2015, o FDA aprovou três imunoterápicos para este tipo da doença: nivolumabe, o pembrolizumabe e o atezolizumabe. Pacientes em estágio avançado que receberam esses medicamentos (que utilizam os inibidores de ckeck points) apresentaram maior sobrevida do que os tratados com quimioterapia.

Essa é uma terapia que ganhou destaque nos últimos anos por ser totalmente individualizada e com resultados muito promissores. O câncer pode deixar de ser letal e passar a ser controlável, e é esse o caminho das novas terapias. Mas igualmente importante é tentar entender o que esse tipo de terapia pode impactar no futuro, uma vez que envolve engenharia genética. A caminhada ainda é longa para tornar esses tratamentos mais acessíveis e mais toleráveis, mas o sucesso da terapia com CAR T Cells demonstra o impacto profundo que novos tratamentos podem ter para estender a vida dos pacientes com câncer. Comenta o hematologista do ICB, Dr. João Pitaluga

Fonte: bit.ly/2rbBnUG

Os comentários estão encerrados.